natureza destrutiva - I

10:04 @Tiabetok 4 Comentários

          
    "Não querer lidar com pessoas
É proteção pra você nunca se machucar.
Se esconde e esquece, pois quando a gente perde alguém,
Não quer nem pensar em esquecer..".
Supercombo

          Isolar-se por vezes parece ser o mais sensato, mesmo porque é notório o seu definhar: olhos sem brilho e chorosos desfaçados em riso forçado por trás das lentes que não carregam mais nenhum grau; exalando desespero por fragrância e a constante falta de assunto com quem quer que seja. A solidão forçada apresenta novos-velhos vícios, a cerveja nem precisa ser tão gelada, pouco quer apreciar, só lhe interessa o efeito alcoolico que muito breve vai produzir; o cabelo sempre fedendo a cigarro barato, enquanto mantém aquela pose fria a intocável que chega a causar desconforto nas pessoas, mas vale tudo na hora de se proteger, não vale?

             Os astros deram dramaticidade a sua vida, afinal ser canceriana não é fácil! Ainda mais sendo ascendente do mesmo, é carma na certa. Os picos de intolerância consigo são enormes, além da fragilidade e não saber lidar com as situações frequentemente; fraqueza disfarçada na postura de uma Valquíria, sua armadura favorita é a mentira do “estou bem”, afinal, quem vai mesmo saber?

            Acontece que é intensa, sente demais, chora demais, tudo demais... não tem cautela, se distrai, e vive a catar continuamente os cacos espalhados pelo chão, perdendo partes por aí, brincando de morrer de amor, chorando sozinha em alguma vala, botando pra fora o que não consegue arrancar de si, salvando-se dela mesma, do abismo de ser o que se é. 

“moça, sai da sacada, você é muito nova pra brincar de morrer"



4 deram importância:

cotidiano

05:44 @Tiabetok 0 Comentários


Foi só um cisco meu anjo, não se preocupe,
 estou bem, garanto. 
Estou bem, acredite, é só... 
que... 
as vezes sinto falta de você, e tenho medo de tantas coisas bobas... 
ah, bobas, assim como não saber usar essas roupas novas nem essa maquiagem toda aí,
 de subir no salto e tombar antes de alcançar os teus braços... 
eu disse, bobagens... 
ainda estou me acostumando a ser mulher, pois sua eu já sou faz tempo...
 ah, não é fácil não, troquei o vídeo game pelo fogão,
 aprendi a dormir de tarde e até parei de roubar a geladeira de madrugada... 
ah, não gosto de te incomodar com coisas pequenas,
 é, deve ser normal é só uma questão de se acostumar, não é mesmo?! 
Ó, você aprendeu a não deixar as coisas espalhadas na mesa e a usar copo para beber água, 
aprendeu até a dormir de conchinha (risos) ... 
não é nada...
 talvez insegurança...
 eu sei, eu sei que seu tempo todo é pra mim .. 
é que eu só queria ter mais espaço nas tuas gavetas...

0 deram importância:

mini horta/jardim: primeiras impressões e problemas

07:48 @Tiabetok 4 Comentários

Sem pose bonitinha ou maquiagem porque isso aqui é vida real não BBB, trabalho duro e mão no esterco.

Porqueeeeeee, é primaveraaaaaaa, te amooooooo, é primaveeeeera.....

             Hey babys. Então, como sabem estou montando minha mini horta/jardim na pequena varanda aqui de casa, e no post anterior comentei sobre os meus planos para com ela, além de mostrar meus compostos orgânicos e os primeiros passos que dei. Hoje descrevo os problemas que tive, paranoias e erros cometidos:

Sementes x mudas: 



           Acabei me empolgando demais e comprei de um site gringo algumas sementes de bonsai, porque sou louca por eles, e para completar o pacote pedi umas de suculenta e cactos. E tudo foi um desastre! as sementes de bonsai, segundo minhas pesquisas demoram bastante para germinar e exigem outros tipos de solo (os quais tentei reproduzir), até agora - quase três meses após o plantil só consegui germinar uma semente, que se suicidou no dia da "arrumação do espaço" (explico jajá), as suculentas germinaram em dois dias, e com três meses estão saudáveis e fofas, embora não sejam suculentas! as de cactos parecem salsa, mas não é salsa pois as sementes são diferentes. Fiquei muito frustrada pois a loja em sí era de artigos de jardinagem, nenhum dos resultados foram positivo - tirando as suculentas não suculentas! - comecei a procurar mudas, já que o boy dizia que tínhamos um jardim de estrume, já que nada crescia, além do meu manjericão (que era muda e o gigante suíço da garrafa). Sem contar que acabei matando algumas mudinhas que estavam em sementeiras quando tive que passar para o local definitivo, não sei como, nem porquê, não sei se foi minha mão pesada que detonou as raízes, ou se coloquei adubo demais, enfim, matei!
            A vantagem das mudas, é que você já as tem na mão e só precisa transplantar e cuidar, sem estresse de que podem ou não dar certo. O manjericão cresceu tão bem e rápido que já colhi sementes duas vezes e fiz varias mudas para poder trocar por outras plantinhas e assim completar meu jardinzinho já que o episódio das sementes foi um fiasco!
Manjericão florindo - retirando as sementes - fazendo estaquia

Sistema de trocas:

        Como a ideia é ter tudo orgânico e com o mínimo de gastos possíveis, criei um sistema de trocas: alguns amigos e familiares possuem plantinhas fofas e eu já tinha um jardim inteiro de manjericão, parti para troca: levava mudinhas da hortaliça e voltava para casa com algo diferente. Com isso consegui uma violeta, gazânia, cactos e petúnia. As sementes que não deram muito certo, também entraram nas trocas (claro que expliquei a situação com quem troquei) e aí consegui hortelã e uma espécie de suculenta (que não lembro o nome). Algumas já floriram e tirei sementes para replantar e ver se consigo uma nova muda para mais trocas. E assim o jardim horta começou a ter formato e variedade.

(Re)organizando o espaço
Início de tudo - reorganizando espaço - primeiros testes de adaptação das plantas

          Como agora eu tinha uma boa variedade de plantas, dois caixotes se fizeram pequenos para tanto, então arrumei mais alguns, lembrando da importância de se ter um local que pegue sol (ou luz solar sem ser direta) por pelo menos quatro horas diárias dependendo da necessidade da planta. E como coloquei algumas delas na janela para poder limpar e organizar  espaço, acabei batendo e derrubando o alecrim e o único bonsai que germinou! Estatelaram-se no chão depois de uma queda do segundo andar. Depois do luto, voltei aos trabalhos. Com os caixotes organizados chegou a hora de distribuir as plantas e me deparei com outro problema: aqui nos altos venta muito, muito mesmo, as vezes violentamente (e isso não é ruim para mim, mas....), algumas plantas são muito sensíveis nesse aspecto, e tenho sofrido constantemente mudando-as de lugar para ver em qual se adaptam melhor, o gigante suíço teve suas flores arrancadas, a Gazânia é resistente ao calor mas não aos ventos e sua flor e brotos caíram, o hortelã também ressecou muito rápido (mesmo sendo molhado duas vezes ao dia) e algumas plantinhas "de mato" comuns e fáceis de pegar em qualquer lugar tiverem seus galhos quebrados pela força do vento. A solução pratica seria montar uma estufa em torno delas, mas tiraria toda beleza do local, então estou pesquisando outras especies que se desenvolvam melhor em local quente e com muito vento. 

o vento detonou esta, coloquei em um local que venta menos mas é longe do sol, o estrume é de anajá, com carvão e casca de ovos, coloco no sol da manhã todos os dias, na esperança de recuperá-la
E, por enquanto, estamos assim: ainda com muitos testes, mudando de lugar, florindo ou não, trocando e pesquisando bastante para conseguir um espaço aconchegante.


Petúnia - cuidados diários - floração
Transplantando e adubando
Suculenta não suculenta - hortelã
Cactos lindos que a Camila trocou comigo, olha que bacana o que ela fez com as garrafas 
Uma delas foi sacrificada para o berçário de suculentas, vamos ver no que vai dar
amor perfeito - para o lar e pra vocês

4 deram importância:

Explodir por dentro

06:30 @Tiabetok 2 Comentários


          A certeza de que não habito esse corpo
Pois sou feita de luz
E esta carne definha
em sentimentos confusos
intrusos
Que não decidem se são 
bons ou ruins 

          Esse texto não é sobre nós dois, é sobre mim, e todas as coisas enraizadas por esse sentimento que excede o físico; mesmo que a pele sempre tenha comandado todos os passos. Eu realmente queria desassociar o teu ser do meu, essa relação-dependência tem se mostrado cada dia menos prazerosa. É claro que ainda há amor, e muito! Mas o fato de ser inteiramente você descaracteriza o que deveria ser eu, fazendo a minha completude ter muito de ti e o "eu" ser constantemente um "nós", e entenda, não é egoísmo.

            Não vá achando que "quero um tempo para me encontrar" pois sei exatamente onde estou e o que quero, os atordoamentos pertinentes são causados justamente por isso: todos os planos, ânsias e expectativas futuras são por nós ou pra nós e o felizes para sempre só existe naqueles livros que deixamos de ler a meia vida. Não estou prevendo o fim, e creio eu que estamos longe dele - e isso é muito bom! - mas ele é possível e sei que não estou nenhum pouco preparada caso venha a acontecer.

         Sinto sua falta constantemente, em dias rotineiros em que vai para o trabalho e volta, no mesmo horário de sempre, do mesmo jeito de sempre, mas todo dia é um carnaval no peito quando chegas reclamando do clima. Quando vais para a bola sagrada da semana ou mesmo alí, bem rapidinho, o corpo pesa como se não fosse te ver por dias, exijo o meu cheiro e me despeço do amado como se ele fosse pra guerra, e acabo por não dormir até que retorne são e salvo para o fim dos meus tormentos. é carga demais, é sentimento que não consigo conter, ele salta do corpo com tanta ferocidade que rasga o peito e sangra a alma, acabo definhando por excesso de amor.

        Não tome este como termômetro para o que sentimos um pelo outro, sei que corresponde do teu jeito todos os dias, nunca me faltando atenção, carinho e cumplicidade; mas é que preciso de mais, preciso de menos na verdade! Menos desse misto de confusão interna, menos dependência física e emocional, eu preciso menos de você e mais de mim, pois se um dia acabar vou precisar de força para catar os cacos que restarem.

Não é sobre nós, é sobre o medo de quando o "nós" deixar de existir
  

2 deram importância:

#Receita - Pãozinho de salsicha

05:36 @Tiabetok 16 Comentários



           Olá amorecos, havia esquecido que tem este marcador por aqui e resolvi voltar a postar sobre. Andei pensando numa reformulação no mesmo, uma vez que estamos saturados de receitas de cupcake e cooks nos blogs da vida, estou pensando em usar algo mais regional pois a culinária Paraense é muito rica em sabores diversificados e usar mais as frutas da estação; os testes por aqui já começaram mas isso fica para uma próxima postagem. Hoje trago para vocês o pãozinho sucesso aqui de casa, que serve para o café da manhã, lanche e até tira gosto nos dias de gelada; a receita é de uma massa básica de pão de liquidificador (originalmente fazíamos de salame mas a crise tá apertando por aqui também, e trocamos por salsicha!) mas que temperadinha com amor fica uma delícia; então, vamos lá:

Ingredientes:
1 xícara de chá de leite
2 colheres de sopa de manteiga
2 ovos
2 xícaras e 1/2 de farinha de trigo
1 colher de chá de açucar
1 colher de sopa de fermento
1 colher de chá se sal
salsicha a gosto
opcional: queijo ralado, orégano, temperos prontos

* No liquidificador coloque o leite, a manteiga, os ovos, o açúcar e sal, bata tudo até homogeneizar.
* vá adicionando a farinha de trigo aos poucos até obter uma massa lisa.
* adicione o fermento conforme as instruções do mesmo
* Coloque as salsichas e os demais opcionais e mexa sem bater

Forma untada e enfarinhada; forno pré aquecido a 180º. 35min.



16 deram importância:

Resenha: O Gosto de Apfelstrudel - Gustavo Bernardo

06:03 @Tiabetok 5 Comentários


O Gosto do Apfelstrudel
Gustavo Bernardo
Editora Escrita Fina
2010

              H é nosso personagem central e se encontra em seu leito de morte. Onde escuta tudo e percebe tudo. Sabendo que seus ias estão no fim, ele passa a lembrar de toda sua vida. De como foi bom marido, bom pai, boa criança até.

"Morrer é tão bom quanto viver foi bom. H pensa sobre a sua vida no passado, embora ainda esteja vivo."

              H vê as coisas através de uma ótica otimista, onde ele próprio está satisfeito com o que fez durante sua estada na terra. Ele era um homem bom, de fato era, e se orgulhava muitíssimo disto.
Confesso que este livro mexeu muito comigo e me fez repensar em algumas atitudes. É um livro curto mas intenso. Não é muito dinâmico nem fantástico. Mas a simplicidade da escrita e o fato se comparar a milhões de situações reais nos levam a refletir sobre o certo, o errado, os deveres e as posturas que tomamos em diferentes situações, por menor importância que tenham.
Apfelstrudel é o gosto da sua infância, que fica marcante em sua boca, e doce, como todas as outras lembranças que H levará com orgulho em sua partida. É meio confuso já que é uma história de morte, mas com o final feliz. Tenho inveja do homem que H foi.


5 deram importância:

o ponto de partir-se

10:23 @Tiabetok 2 Comentários


             É sempre comum ouvir o "a partir" de tal coisa/sensação/acontecimento que vem para dar direcionamento em nossa vida. Ora! Como se algo mistico e maravilhoso guiasse nosso caminho como em sonhos infantis de quem se dopa em Disney. Sempre estipula-se um ponto de partida e um de chegada; mas e quando não se chega a lugar algum, ou durante a bifurcação escolheu o lado errado/contrário?! Quando o ponto de chegada não é o escolhido mas foi o melhor caminho que você percorreu?

e como num estalo: tahf! chega o ponto de partir-se!

               Abrir mão dos sonhos, voltar atras na decisão, mudar, (re)organizar. Entender que temos que deixar muito de nós para trás, sem que nos percamos totalmente, sem que nos tornemos algo totalmente estranho a nós mesmos, sem perder a ternura e o ardor.

               Aquele amor da infância não parece ser tão grande agora depois que você já quebrou a cara umas 63546357476545645 vezes, e mesmo assim continuamos tentando, andando só até que o novo par se apresente e te leve por outros becos, vielas e estradas da vida.

               Partir não é necessariamente quebrar, destruir; mas dividir e separar. Parti-me em duas: uma que ainda almeja sonhos (im)possíveis, idealizando aventuras solitárias em noites de lua e tardes chuvosas, sem um pingo de preocupação ou corda que me prenda a um passado-presente que me transforme inteira em indecisão; a outra é pé no chão, que apesar de pensar sabe-se-lá-o-quê? pensa, repensa, trêpensa para que tudo corra bem, mesmo que tenha de abrir mão e se arrepender amargamente por isso , para que o "conjunto funcione".

          Chega uma hora na vida em que você cansa de caminhar sozinha; têm caminhos que você precisa abandonar pois há muitos outros à descobrir. E se não há caminho você abre um, na marra, na força, é seu suor, sua batalha; para encontrar o novo po(n/r)to e a partir daí, partir-se quantas vezes mais for preciso.


2 deram importância:

devaneios #1

06:07 @Tiabetok 0 Comentários

                      
                 
               Teria deixado para trás se não fossem esses impulsos sentimentais que tanto atormentam. Seria fácil seguir uma ideia, um plano, se por um único instante nosso coração deixasse de lado seus desejos. Aliás, nada está no coração, ele é só um músculo, quem sente é o cérebro. Mas como decidir quando o cérebro brinca com você? Te mostrando todas as direções exatas e decisões a serem tomadas e paralelo a isso te bombardeando com sentimentos de culpa, ausência e dor [embora não física]. um saco. Um grande saco!
Se perder em meio a literatura barata e trilha sonora de comédias românticas e em um estalo se deparar pensando, repensando, trepensando no assunto enfraquecendo sua decisão anterior. Isso enfraquece. Você é fraca, e não admite. Quem admite?! 
E em meio a acessos de indecisão volta ao maço de cigarros escondidos na gaveta. Não fuma e sabe disso, mas pouco importa quando as "coisas" aliviam. Se aliviar; anular o mundo; eximir paixões; uma música de verdade agora... daqueles discos empoeirados... Always on my mind... enquanto se movimenta suavemente em passos de balé, que sua mãe sempre obrigou que fizesse e mesmo assim nunca compareceu as aulas. rodopiava entre a fumaça e risos trêmulos que continham lágrimas. Cantarolava a música. um preságio? É inteligente demais para acreditar nessas coisas... e assim continuou até o fim do disco, o fim da fumaça... os problemas se findam, um dia.

0 deram importância:

Mini horta/jardim: Primeiros passos

07:22 @Tiabetok 4 Comentários

            Depois que saí de casa para morar em vila minha saga das coisas que tive de abrir mão começaram; as bagunças, os animais, as plantas; mesmo assim, tentando fazer do local reduzido um lar para dois. Não é fácil, mas estamos tentando. E nessas tentativas decidi por fim montar uma mini horta/jardim, para ter sempre a mão temperos frescos, algumas poucas flores e plantas para colorir os meus dias respeitando o espaço que tenho. E aqui estou meus queridos, para dar algumas diquinhas práticas e de como gastar pouco para deixar o seu espaço mais verde e aconchegante.

Do espaço:


            O que deve ser observado para o seu local é a quantidade de sol que bate nele, faz-se necessário ter ao menos 3 a 4 horas de sol por dia para sua planta. Esta é minha pequena varanda (já com meus primeiros testes para a montagem da horta), e como podem notar disponho de um bom espaço, e após um dia de observação sei exatamente os pontos onde o sol bate diretamente, claridade e sombra. Este é um fator importante para a disposição das suas plantas pois elas apresentam necessidades diferente.
               Como priorizei o cultivo de sementes e não de mudas, arrumei alguns caixotes e baldes na feira da cidade e só depois que elas atingirem o tamanho para cultivo farei o móvel fixo para ela, então aguardem que vem diy por aí.
Mas Tia, eu não tenho varanda, como faço? Verifique se suas janelas estão direcionadas para o sol, alguns apartamentos tem janelas na cozinha, bem acima da pia, que garantem a luminosidade e a umidade para a planta, áreas de serviço podem ter um bom espaço também, o importante é não desanimar, ok?

Do composto ORGÂNICO

1- Estrume de boi, 2- estrume de galinha, 3- húmus
                      Dia desses fui ao supermercado e me deparei com pimentões gigantes e pensei: "Não já bastam os frangos cheios de hormônios que temos que comer, agora isso?" O composto orgânico (húmus) é muito fácil de fazer, e na minha região encontramos com facilidade estrume de gado e galinha, mas se você quiser poupar trabalho, as lojas de jardinagem já vendem diversos compostos prontos, assim como o húmus e o próprio minhocário para você produzir o seu, e outras alternativas orgânicas para enriquecer o solo como, a torta de mamona e pó de osso.
Nos meus testes, estou utilizando o húmus que produzi, estrume tanto de galinha quanto de boi e carvão.
COMO PRODUZIR SEU HÚMUS
                 Consegui em uma pizzaria aqueles baldes de maionese (3 a 5 litros para minha pequena necessidade é ideal) para armazenar meu composto. Furei o fundo e as ampas dos potes para que o líquido que escorre durante o procedimento seja armazenado no ultimo frasco (sem furo no fundo, assim além de produzir seu adubo sólido, você tem um adubo líquido muito forte e orgânico também. 
                   É bem simples: basta você colocar tudo que for de origem orgânica dentro do pote: cascas de legumes, frutas, talos, verduras e legumes que estejam ficando passados, casca de ovo (eu costumo cortar tem tamanhos menores para facilitar e acelerar a decomposição); evitando frutas cítricas e não colocar comida temperada, carnes e afins para não dar mau cheiro. Para cada parte de composto úmido deve-se colocar de duas a três partes secas (palha, serragem, papelão, folhas secas...)sendo que a ultima camada sempre tem que ser da parte seca. a cada quinzena revirar o composto e observar o andamento. Ele fica pronto em torno de um mês, fica negro, sem cheiro e ao manusear não gruda na mão. Agora é só plantar.

Na minha mão, o húmus já pronto (dois meses atras) no balde ainda em decomposição.


O quê e como plantar?


                      Em alguns locais você já encontra as mudas e então é só levar para casa, plantar e cuidar. Como na minha cidade isso não é viável, optei pelas sementes. Quando se decide o que plantar é importante pesquisar seu clima e qual o tempo de cultivo da planta, por exemplo, manjericão dá o ano todo, germina rápido (de quatro a sete dias) e cresce com facilidade, já a salsinha leva quase um mês para germinar, fazendo ficarmos desesperados achando que tem algo errado, mas não tem, cada planta tem uma necessidade e tempo diferente. É importante ler as informações do verso do pacote de sementes e atender todos os itens para garantir sucesso.
                   Decidi plantar para a horta manjericão, cheiro verde, salsa e alecrim; para o jardim teremos rosas, suculentas, cactos e gigante suíço. Cada um plantado em locais diferentes, alguns com técnicas de germinação, outros plantados direto, em recipientes plásticos, caixas de ovos, mini estufas em garrafas todo material que eu pudesse usar como sementeira. A sementeira garante que cada plantinha cresça separada da outra para nenhuma "roubar" seu espaço ou nutriente, e após atingirem tamanho adequado (geralmente cerca de seis a oito centímetros) já podem ser mudadas para local fixo. Mantenho todos os recipientes etiquetados com cultura e data para que eu possa acompanhar seu crescimento.
1- a sementeira fixa nas lojas de jardinagem variam de preço de acordo com o tamanho, não chegam a R$10,00
2- Estufa com garrafa pet, germinando, são sementes de gigante suíço
3- ainda não arrumei o espaço, assim que passar as mudas para locais fixos e ver o tamanho que atingirem vou poder organizar a horta/jardim, e estou pretendendo faze-la toda com caixotes reciclados.

Paciência e dedicação
                 Depois de tudo plantado, sejam mudas ou sementes, é preciso regar todo dia, de preferencia com regador ou borrifador para não afogar as sementes nem ficar tirando-as do local, duas vezes por dia, e aguardar, sim, aguardar! essa é a pior parte: saber se deu certo ou não, quando vai poder ver, arrumar, utilizar na cozinha e toda e qualquer ansiedade. Cinco minutinhos do seu dia são suficientes para cuidar do jardim/horta então, mãos a obra!

                     Provavelmente a cada mês terá post sobre a hortinha, andamento, tipo de cultivo/técnica, a criação do espaço e tudo mais. Caso tenham decidido fazer uma também, gostaria de ser notificada e deixem o link para que possa vê-la.
por enquanto é só pessoal, até mais ver..

4 deram importância:

Não chorar pela colher suja na pia

13:09 @Tiabetok 2 Comentários

            
               
               Quando se resolve viver a dois é claro que as coisas mudam. Não me refiro exclusivamente ao AMOR pois a convivência é reveladora para este, me refiro a todo o resto, e quando digo todo resto, é todo mesmo, as mínimas coisas que te irritam e tiram do sério fazendo você finalmente entender todos os enjoos da sua mãe! 

               É um tal de ele levantar e deixar a cama um ninho de rato, como se você tivesse feito a cama todos esses anos! é deixar a pia limpa e ele ir cutucar alguma coisa na geladeira e largar a colher na pia, uma única colher suja na pia!!! É o seu cabelo todo jogado no ralo do banheiro que dão um nojo absurdo para ele, assim como ele faz as necessidades com a porta aberta! É ele chegar com o tênis sujo carimbando o chão que você acabou de limpar! é a sua voz cantarolando irritantemente no banheiro enquanto ele tenta assistir ao jornal! É ele enfiar a colher no seu prato e encher o dele de pimenta para você não fazer a mesma coisa! É brigar para definir quem decide qual o filme a ser assistido na noite... e mais um monte de coisas que te completam e que você já não conseguiria mais viver sem!

"É dor que desatina sem doer"

              Então, você percebe que mesmo tudo estando completamente errado as coisas estão te fazendo feliz, ele jamais será um príncipe encantado porque nunca foi, e não foi isso que você procurava; de todos os desastres amorosos ele é a bagunça mais fascinante que já entrou na sua vida! Ele nunca arruma a cama, mas sempre te embrulha antes dormir; odeia te ouvir cantando mas pega a toalha e sai te imitando pela casa fazendo coreografias bizarras e arrancando gargalhadas suas; ele vai patinar sujando a casa, mas vai te pedir desculpas sinceras e tentar remediar a situação; ele vai enfiar a colher no seu prato mesmo sendo a mesma comida do dele, mas vai te dar o maior pedaço da pizza; ele não vai te dar o controle porque é irrelevante, já que os gostos são parecidos e o colo dele está sempre a disposição como travesseiro; o seu cabelo no ralo do banheiro vai continuar incomodando sempre, mas você dará um jeitinho de compensá-lo por isso como ele faz com todas as coisas que te irritam.

E o amor só cresce

             Na medida em que tudo corre bem, entre os gritos de "levanta e vai fazer o que eu pedi"; "esqueceu o lixo de novo zé Besteira" ou  "vou te devolver pra sua mãe" nos corredores ecoam os sussurros das nossas certezas e as bobagens do dia. E amanhã de manhã, a colher vai estar lá na pia, e você vai continuar trazendo risos para os meus dias...


2 deram importância:

a volta dos que não foram

09:52 @Tiabetok 0 Comentários

Tomatinhos da minha horta

Primeiramente, obrigada por ainda seguirem este espaço; resolvi tirar umas férias daqui para estudar melhor os conteúdos mas, o meu computador resolveu me abandonar e depois a internet estava com crise de idade então até tudo (ou quase) se resolver devidamente, acabei atrasando tudo por aqui.

Sou analfabeta para html então por enquanto não houve nenhuma mudança no visual do espaço mas entrarão alguns novos assuntos, e como estou sendo bastante indicadas para tag's, estou pensando na possibilidade de criar um canal exclusivamente para isso.

Estou aqui meus amores, para pedir a ajudinha de vocês, já que este espaço é nosso, gostaria de saber quis temas vocês gostariam de ver por aqui para que eu possa me organizar e verificar as possibilidades, a opinião de vocês é de total importância para o futuro desde blog. 

Segunda-feira já volto com as postagens normais
xero

0 deram importância:

DIY - Cápsula do tempo + resposta da carta

11:42 @Tiabetok 14 Comentários

              

            Olá pessoas do cyber espaço, no último post expus o conteúdo na carta que escrevi pra mim a 10 anos atrás, o desafio diy deste mês propôs que fizéssemos algo que envolvesse livros (madeira e customização foram os outros temas), como eu morro de dó de usar os meus livros, utilizei um dicionário para fazer a minha CAPSULA DO TEMPO. Quando enterrei a cartinha, coloquei junto dela algumas fotografias (inclusive um 3x4 pavorosa) minhas, dos meus cachorros, amigos e namorado da época (argh!)e envolvi em um saco plástico. Infelizmente o saco não foi suficiente para proteger todos os tesouros, ficou com aspecto "torrado" e estava se desfazendo, as fotos ficaram estragadas só não as que haviam sido impressas em papel comum, o bloquinho de "coisas para fazer quando você crescer" ficou quase ilegível (do meio para o fim), mas a carta dá perfeitamente para ler. Diante desta situação, resolvi envolver minha resposta em algo que preservasse melhor seu conteúdo e aqui deixo à vocês esse Diy maroto com um conteúdo fofo:


1 - pote de pega varetas (este é de alumínio - 
se quiser guardar mais coisa dá pra usar aquelas latas de biscoito)
2 - folhas de dicionário
(ou qualquer outro livro)
3 - cola e tesoura

Encapei o recipiente de alumínio com os recortes do dicionário e passei uma mão de cola por fora (se você tiver termolina ou verniz é bom passar para deixar mais impermeável). amarrei um barbantezin na ponta, porque sim!


*  *  *  *  *  *  *  *  *  *  *  *  


           Junto da minha resposta, coloquei algumas fotos impressas dos cachorros, uma 3x4 atual, e uma foto com meu esposo, além de reenterrar a carta antiga. Ah, o livreto de coisas para fazer eu fiquei, já que tenho de faze-las, e pus junto uma lista com mais itens que pretendo fazer daqui a mais 10 anos

                                                      *  *  *  *  *  *  *  *  *  *  *  *

Bragança, 28 de abril de 2015

Oi Tia, ainda te chamam assim?

               Encontrei nossa carta de 10 anos atrás, e claro, não pude deixar de rir e ter um pouco de inveja por você ter vivido aquele tempo. Como é possível alguém ser tão feliz com tão pouco? Com isso, aqui estou para responder-lhe e deixar mais questões para que os anos preencham.
Desde os 18 anos meus cabelos não passam dos ombros (exceto ano passado porque o *****pediu, ah, o ***** é seu marido!) Não tenho mais chulé, mas certamente o ¬¬¬¬¬ [irmão] ainda tem! Quando finalmente consegui meu tão sonhado quarto, saí de casa, e o guarda roupa do Vô Raimundo foi para “a barraca” e pegou chuva; mas continua lá, servindo de prateleira e depósito! Continuo não gostando das pessoas da minha sala, nem daquelas nem das de agora, não descobri o real motivo, mas hoje em dia nem faço questão de descobrir.

                Não fiz educação física, cheguei a passar, mas a grana não dava para me manter em outro estado, passei por ciências e também não cursei, estou terminando pedagogia, mas pretendo fazer outra coisa logo. A lua ainda parece distante para mim. Ainda escrevo em diários e tenho altura normal. Continuo usando óculos e como moro de aluguel, nenhum dos cachorros estão comigo. Como vê ainda não tenho minha própria casa, mas estou batalhando para isso. Ainda cultivo vários ursos, o ultimo ganhei aos 23 anos; encontrei alguém, e este não pode me ver comendo que vai logo metendo a mão, e graças aos Deuses, este é o seu maior defeito, temos afinidades e cachorros (que vivem no sítio) e ele tem tantos tênis quanto eu já tive um dia, sim, os cadarços foram substituídos por saltos, e nossa, como isso parece surreal agora.

            Chega de falar de mim, vamos ao que quero saber de você, futura nós, conseguiu sua tão sonhada casa? Arrumou (finalmente) seus livros? Pois os de agora vivem numa bagunça que só vendo. E filhos? Já os teve? Quantos são? Iguais ao Soluço como vocês sempre desejavam ou é mais para puxou a mãe ou o pai?! Continua escrevendo em diários? Confesso que ando preguiçosa e pulo vários dias. Conseguiu melhorar sua alimentação? O emprego é satisfatório? A vida é boa?

Do mais, que coisas maravilhosas continuem acontecendo para nós.


P.S.. Junto desta carta tem uma lista de coisas que você precisa fazer.

Betok



#partiu enterrar no mato


14 deram importância:

Carta de 10 anos atrás

10:59 @Tiabetok 13 Comentários

Já devo ter mencionado algo sobre a “capsula do tempo” um dos itens da minha lista lá de cima. Acontece que em 2005 fiz uma carta e a envolvi em plástico para preservar ao máximo e a enterrei no pé do velho jambeiro. Dez anos depois, estou aqui para lê-la e queria compartilhar com vocês (só lembrei por conta da quantidade de cartinhas virtuais vistas em outros blogs)  Alguns erros de grafia foram corrigidos mas deixei praticamente da mesma forma de escrita.


Bragança, 12 de agosto de 2005

Oi Tia, se é que alguém ainda te chama assim

                 Eu sou você no passado, e caso queira saber vou te contar como você era: sua mãe ainda te proíbe de cortar o cabelo, e sim, você tem chulé! O que separa seu quarto do do seu irmão é uma cortina e um guarda roupa, aquele que seus pais ganharam de do vô Raimundo, e quero saber muito se ele ainda vai existir quando você ler. Você não gosta das pessoas da sua sala de aula, nem como olham pra você, como eu não sei o motivo de implicarem tanto comigo, queria saber se você conseguiu descobrir. 

                Decidi fazer educação física, você faz, ou fez? Ir para Lua parece meio impossível pra mim agora, mas se tiver a oportunidade, por favor, vá! Eu escrevo em diários, e pareço um pouco maior que as meninas da minha idade, estou usando óculos, e adquiri a mania de dormir de meia do nada. Por vezes durmo na mesa da cozinha pois não gosto de ficar longe dos cachorros, você sabe, a mamãe não gosta de bichos em casa e de lá é bem perto do quintal.

                Eu desejo que quando eu-você ler esta carta já tenha sua própria casa, pra encher de urso de pelúcia e muitos tênis, tantos que você nunca vai saber qual vestir. Que você encontre alguém legal para dividir as coisas e que ele não mexa nunca na sua comida. Que você tenha todo dinheiro do mundo para comprar livros e ração para cachorro porque quando eles comem comida é um horror de limpar tudo. Que nós possamos rir de todas as bobagens que fizemos e choramos depois de ter feito elas.

               Claro que essa ideia de te escrever assim não foi minha, é um trabalho de aula da professora Estela, mas decidi enterrar assim mesmo, mesmo não valendo ponto, só pra ver no que vai dar. Pode ser que a gente lembre, pode ser que não; mas o que vale é a intensão. Que coisas boas aconteçam para você.

 P.S. Junto desta carta, enterro uma lista de coisas que você precisa comprar para viver feliz. 




13 deram importância:

Resenha - Uma porta para duas lembranças - Garimpo Editorial

11:33 @Tiabetok 2 Comentários


             Fiquei muito feliz em receber esse livro da Garimpo, pois fomos parceiros por muito tempo em outro blog, reaver esta parceria foi um imenso prazer. O projeto gráfico da editora sempre me encantou; tenho problemas em ler livros de páginas brancas, os da garimpo são em folhas amareladas e mais finas o que me facilita (e muito) e leitura. Como se trata de uma história real, a divisão de capítulos é dada com fotos dos personagens e locais dando a nós a oportunidade de conhecer melhor os personagens, tanto na descrição cuidadosa dos fatos, quanto em imagem. A capa é de uma simplicidade nostálgica. Já devem saber da minha paixão por construções antigas. Vamos ao livro.

            Achel Tinoco escreveu maravilhosamente bem a biografia (do ainda vivo) Joaquim Coutinho resgatando suas memórias e divulgando-as de uma forma terna, realista e “popular”. Uma porta para duas lembranças trás relatos das vidas de Teresa e Joaquim que se unem numa linda história que teve inicio na Bahia durante o Coronelismo.

          As descrições dos locais e épocas da infância foram muito bem retratadas, dando ênfase a cultura do local, exaltando expressões idiomáticas, apelidos e hábitos simples do cotidiano dos personagens envolvidos. Narra a vida dura dos trabalhadores em busca de diamantes, a constante preocupação de instruir seus descendentes e amor, na forma mais pura entre Joaquim e Teresa, que acabaram de completar Bodas de Ouro. A simplicidade da escrita dá a impressão que os fatos são recentes, como se estivéssemos em uma conversa com algum amigo.

“Levantou o copo à altura dos olhos, como se medisse o tamanho do gole a jogar goela abaixo, derramou uma talagada sobre o piso de lajotas de barro, para homenagear seu santo de devoção, qualquer um, e despejou todo restante do líquido ardente dentro da boca, fazendo uma cara medonha.”

         Retrata também importantes passagens de tempo registradas em jornais antigos, revistas, fotografia e televisão. Além de muito envolvimento de crenças em almas penadas, visagens e maldições, que dão um ar cômico à alguns capítulos. Joaquim é com toda certeza um exemplo a ser seguido, sua colaboração para a educação do seu povo foi imensa, usando um método que não visava estritamente a eficácia da alfabetização e sim conscientizando o educando utilizando o diálogo como parte importante no processo (onde segundo Paulo Freire o diálogo é o conteúdo programático da educação).


            O fato de eu ter raízes no interior me fez adorar o livro, a forma que a história foi contada, a estrutura familiar, a cidade, os botecos, enfim, tudo, deixou-me com um pouco de saudade das coisas que ficaram para trás. Grata a Garimpo editorial por esta oportunidade.

GARIMPO EDITORIAL:  FACEBOOK / FAN PAGE / SITE


OBS: 
Imensamente feliz pela 
vinda do autor neste espaço.

2 deram importância:

sem final feliz

06:43 @Tiabetok 3 Comentários

O papel meio molhado por lágrimas
 davam o toque final de melancolia,
 essa escolha não fora minha,
 mas meu coração cheio de mágoas
 não aguentou mais tanto sentimento e
 transbordou. 



          Ando tentando de fato não me importar; relevar o seu frequente descaso de mim como ignoro suas roupas espalhadas pela casa. Ando calada e sem mais vontade de brigar por todas as coisas que já brigamos antes. Creio que deixei de ser parte importante - se é que um dia cheguei a ser - e hoje sou apenas ornamento ostentado com delicadeza aos passantes... intrigante não achas?! esse não-amor possessivo, esse seu desejo de me manter em suas rédias sem um propósito específico, ou sentimento específico [...] Querido, afeto não é amor, e várias vezes tentei mostrar-lhe a diferença, e ficamos assim, você experiente demais pra aprender e eu ignorante demais para ensinar [...] quem sabe um dia eu perceba que nada está errado; não houveram juras eternas nem promessas feitas; talvez eu perceba que de tanto relutar contra o esteriótipo sou igual a todas as mulheres que acreditam - por mais absurdo que isso seja - em contos de fadas. O problema - se há um - pode não ser em você, nem em mim, quem sabe do tempo? do espaço? ou uma conspiração alienígena ? Se não somos fracos o suficiente para dar o braço a torcer para o outro podemos então enfeitar essa confusa relação com poesia? Tentamos de cara o "seja eterno enquanto dure" de Vinicius, e perdi a conta de quantas vezes citamos em nossas vidas Caio Fernando de Abreu, embora ultimamente eu esteja mais para Bukowski. Mas recentemente ouvi uma música que me tocou fundo, como a muito tempo você não toca, o nome é suhi da Tulipa Ruiz, quem sabe eu não te mande um email com essa letra, quem sabe entendamos melhor as "coisas" que se passam - ou que não passam - em nós; ou egoistamente pensemos em nossos próprios umbigos e amarguras... estamos egoístas fez tempo, meu bem, acho que está na hora de admitir;  atear a bandeira branca e impor a paz antes que ela fuja de nós. Dizer um "te vejo por aí" ao invés de um seco adeus, assim poderemos assumir este afeto, e então ele bastará....


3 deram importância:

dia do beijo - para casados

15:33 @Tiabetok 5 Comentários

          

           Ainda lembro das coisas bobas que fazíamos mesmo não tendo mais idade para isso. Os pulos na sorveteria, pizzas o tempo todo com vitamina de abacate, guerras de pipoca e claro, as brigas pelo motivo de sempre: você metendo a mão na minha comida; se bem que todas as bobagens permanecem até hoje, e as brigas também são as mesmas. Dentre toda a mesmice, tive uma grande evolução: sempre fui viciada em paixão e a forma louca e perigosa que esta rege a nossa vida, os autos e baixos mais intensos, a dependência física, a febre e todos os outros sintomas. Hoje posso dizer que é amor. Tornou-se amor. Não que agora não viva com intensidade, há sim grandes momentos prazerosos e com importância; passei a amar com mais simplicidade, independência e significância.

           Hoje é dia do beijo, e queria relatar as fases que este passa (passou) e a importância que ele tem. Na fase da paixão, o fogo, a dependência física; ele se faz extremamente importante, nunca fiquei muito a vontade em demonstrar carinho publicamente, mas andar de mãos dadas e os beijos sempre estavam presentes, e na intimidade faziam-se necessários. Hoje tocamos os mindinhos, nossas mãos suam demais para nos forçarmos a caminhar de uma forma desconfortável enquanto estamos juntos. Os beijos, aqueles, dignos de novela do horário nobre, são cada vez mais raros, porém, mais intensos. 

            Dar as mãos se internalizou como insegurança, entrelaçamo-las com firmeza quando estamos em multidões para garantir que não nos percamos, o beijo tem vários significados, na verdade são vários os beijos, têm os de boa noite, o de afeto, o forçado, o roubado, o das brincadeiras, o de perdão, o de pedido de perdão, o de arrependimento, felicidade, alívio, há ainda os de “todos estão se beijando então me dá um beijinho pra não parecermos tão idiotas”, tem o “cheirinho”, o de obrigado; são infinitos os tipos de beijo e mesmo assim deixam de ser frequentes,  mas cada um dado no tempo certo, do jeito certo e com gosto de amor.

             Não sinto falta dos beijos de antes porque eram apenas conveniências, o gosto na novidade, os de agora tem sabor, não de menta ou de enxaguante bucal, tem gosto de café da manhã, tem gosto de cansaço, de compartilhamento de vida, de planos futuros, de decisão; mesmo que poucos, cada um, por menor que seja, com ou sem língua, com ou sem abraço, todos, têm gosto de verdade.


hoje é dia de beijar muito, e muito, 
sem significado mesmo,
 só para o dia não passar em branco. 

5 deram importância:

8 x 8 - Preto e branco

06:47 @Tiabetok 14 Comentários

Olá xuxu's da minha salada

É me condenem, dia 8 foi ontem, mas não atrasei tanto dessa vez, né?! O tema escolhido foi preto e branco, o xodó dos amantes de fotografia. Fotografar em preto e branco (mesmo com filme) requer muito mais técnica, e ficam muito melhores do que fotografar colorido e editar depois, por conta de explorar mais o contraste e as sombras, é fascinante. Como não tenho "tino" para essas coisas e nunca ando com a minha câmera, as fotos foram feitas com o celular (cam 5.0 mp) mas gostei muito de alguns dos resultados:



  O Sobrado do Caratateua, escrevi um pouco sobre meu amor por esse prédio bem AQUI Ó! 


Morri de amores por essa foto pelo simples fato de que fiquei "adulta" nela. E foi a última deste cabelo... cortei de novo! Esta foto foi tirada com a câmera, no entanto foi editada em um app do android o que fez com que perdesse a qualidade. 


Meu amor, minha vida, meu cascão de ferida.... 


Sobre amanhecer (quatro dias seguidos) na praia. Mesmo com a invasão das algas Ajuruteua continua sendo Ajuruteua, até o mar acabar com tudo!



Livro escolhido da vez (e o vício das meias). Ah povo, vem mais conteúdo lindo para o blog referente a leitura, quem segue no intsgram já sabe que fechamos novamente parceria com a Garimpo editorial, então é provável que rolem mais sorteios e mimos para os leitores (ainda dá tempo de participar do sorteio do Livro Moedas Para o Barqueiro CLICA AQUI) , mas para evitar energias negativas sobre as coisas boas que vem por aí vou tentar me controlar e deixar tudo para a hora certa. 


Saudade da xuxuzenta da Marcelle Pires do blog Meu Mural de Ideias (que também participa do projeto), estava de bobeira em casa e comecei a desenhar, era para ser nós duas (risos) e ainda não aprendi a fazer olhos!


Por último e não menos importante, a melhor páscoa de todaaaaaas! Fazia meia vida que eu não ganhava tanto chocolate, justamente quando menos posso comer! Recebi quatro deliciosos ovos que estão durando até hoje por conta da quantidade de açúcar e gordura que devo ingerir diariamente. Sim estou de dieta, mesmo estando quase cinco quilos abaixo do peso. enfim, é a vida! Meu amor fez a escolha mais que certa, a super caneca que eu não uso pelo material ser vagabundo demais!


Então povo lindo, essa foi a minha participação
 no desafio deste mês, 
abaixo estão os links de todas as 
moças bonitas que estão participando.
 Xero e até a próxima.



14 deram importância:

carta na garrafa

11:38 @Tiabetok 12 Comentários


Bragança, 02 de abril de 2015

Olá você;

               Meu nome é Tânia, tenho 16 anos e leucemia. Provavelmente quando você ler esta mensagem já estarei descansando, pois raramente me deixam sair daqui. Não sinta pena; estou bem, lógico que preferia estar namorando, praticando algum tipo de esporte e indo para as baladas como todas as adolescentes comuns, mas minha vida não foi tão ruim. Não conheci muitas pessoas, nem fui a shows das minhas bandas favoritas, mas não precisei selecionar as pessoas que sempre estiveram comigo, pois todas permaneceram pelo mesmo motivo: AMOR. 
                Não sei o que é amor por uma única pessoa, daquele que minhas amigas falam, de ter alguém para se fazer tudo e se importar unicamente com suas necessidades. Acho meio egoísmo direcionar um sentimento tão enorme exclusivamente para um único ser. Amo meu médico e as enfermeiras, minha família, alguns dos pacientes que mesmo tendo alta passam aqui para me visitar. Isso é amor de graça! Amor romântico só conheço dos livros. 
                    Nunca fui à praia. Esse é o propósito desta mensagem: me banhar inteiramente de mar, sol e destino incerto; tudo diferente da vida regrada que sempre tive. A liberdade, o vento no rosto, as pequenas coisas que não pude desfrutar. Como não tive pretensão em me imortalizar escrevendo um livro, deixo nesta carta um pouco de mim, dos desejos e do sonho de liberdade. 

Hoje sou livre! E peço a você que me encontrou e  conheceu que, por favor, coloque-me novamente na garrafa para que eu possa continuar minha jornada.





TEXTO PERTENCENTE AO 
TEMA DE BLOGAGEM COLETIVA 
DO GRUPO BLOGS UP NO FACEBOOK.

12 deram importância:

Um minutinho da sua atenção - Por favor

10:04 @Tiabetok 4 Comentários

Hey xuxu’s, como estão?

       Então, o post de hoje é meio chato mas importante para o desenvolvimento deste espaço. Algumas pessoas pelo Instagram e bate papos da vida tem me pedido para postar mais vezes e sobre assunto como moda, aplicativos, blogagens e afins. Primeiramente queria agradece-las pela frequência neste espaço, pelos incentivos e opiniões. No entanto este é um blog pessoal (pelo menos era), acabei pondo os desafios que sigo porque são diretamente ligados a outros blogs, mas se estender para todos esses conteúdos, sinceramente não vai dar certo! Um dos motivos é que EU NÃO ENTENDO NADA DE MODA! Quem me conhece ainda me vê indo para padaria de cueca, moro em uma cidade pequena onde se você se arruma ou é gay ou sem noção, aqui é quente, corrido, sem muitas opções de laser, o que torna as pessoas preguiçosas nessas questões, inclusive esta que vos fala. 

         Segundo, a internet aqui é de tapioca: choveu derrete; terceiro e mais relevante, o tempo. Não estou trabalhando no momento, mas tenho zilhões de artigos para escrever, estou preparando meu TCC, e sou dona de casa, pode parecer estúpido mas vocês não tem ideia do trabalho que é manter uma casa (cheirosinha, arrumadinha e do seu jeito), consegui me organizar e a cada três dias tem postagem nova por aqui, dando tempo para mim e para os leitores que também estão mais atarefados. Se trocar a frequência para todos os dias e atendendo aos pedidos, além de baixar a qualidade dos posts (pela falta de tempo para pesquisas e escrita) vai descaracterizar o espaço e serão postagens vazias por eu realmente não dominar o conteúdo. 

          O que pensei foi: a fim do mês, início ou meio, sei lá fazer um post gigante, detalhando os apps que estou usando, blogs frequentados, jogos viciantes, play list, grupos, auto ajuda, instagram e tuuuuuuuudo mais que me for sugerido, afinal, mesmo que poucos, esse lugarzinho não seria nada sem o carinho e a atenção de vocês. A meu ver é uma das melhores alternativas mas se tiverem mais sugestões, a caixa de comentários e o meu e-mail estão a disposição. 

Novamente agradecendo as visitas, 
a atenção e compreensão de todos, 
tenho certeza que com mais conversinhas nos entenderemos.
Xero
Bom fim de semana para todos.

4 deram importância:

Do início de tudo

06:41 @Tiabetok 8 Comentários

Diários I
Fev - 2012


              Seu moço, peço licença por entrar assim na sua vida, tão de repente; sabe, não imaginei que isso tudo poderia acontecer, e quando digo “isso” estou me referindo ao que sinto quando acordo e a primeira cena que vejo é você dormindo, daquele jeito todo seu, metido entre o lençol e todos os travesseiros, fazendo a cama pequena demais para nós dois e todas as tralhas em cima dela. A forma abobalhada que fico quando te vejo – ainda sonolento – abrindo a janela, se espreguiçando e lutando contra o sono para encarar mais um dia de trabalho. O riso espalhafatoso que dou toda vez que arranha meu pescoço inteiro com a sua barba por fazer que está assim só pra me agradar.

           Adoro te ver comendo aquelas gororobas fazendo a cara mais feliz do mundo tentando me convencer que é bom só porque é saudável, a sua geladeira cheinha de espaço vazio que sempre me comove e é meu drama das noites em que dormimos juntos. Sabe, eu gosto quando você me culpa pelo seu atraso, ou pelas coisas que perdeu, mesmo sabendo que a culpa é inteira sua. Adoro o seu jeito de moleque por trás dessa aparência cansada, suas roupas espalhadas pela casa, até mesmo sua margarina ligth! 

Desculpa seu moço, eu não poder te oferecer muita coisa,
mas, eu queria muito dividir “isso” contigo,
 isso que estou sentido, 
só para garantir que você sente também...

8 deram importância:

Resenha - Aquele do Cachalote

09:50 @Tiabetok 4 Comentários


          Como todo bom clássico, Moby Dick só veio ter seu reconhecimento postumamente. Muitos, apesar de não tê-lo lido tem conhecimento da obra por conta de sua grande influencia (no pica pau por exemplo!) e citações diversas. Não faz o meu gênero favorito, e confesso ter ficado desentusiasmada por conta dos exageros de capítulos (150) intercalados entre curtos e longos. Toneladas de informações sobre navios baleeiros, vida dos marinheiros com a preocupação de comprovar a veracidade de todas os fatos utilizando citações de outras obras (mesmo que por vezes pareça um tanto surreal). 

           Louca de vontade de desistir da leitura por conta das longas narrativas informativas sobre a pesca das baleias (onde New Bedford, cidade norte americana que dominava o setor), já que todos os assuntos (mesmo que diluídos em poemas, canções, narrativas interináveis) se resumem a baleia! Sem necessariamente chegar até A Baleia. No entanto a obsessão do personagem me fez refletir sobre o comportamento humano, a (i)racionalidade,  quanto se mobilizaria para conseguir algo inalcançável.

             Blablablá e nada da tal baleia, o que nos leva a outro ponto: Moby Dick é real ou ou fruto da imaginação e da compulsão do Capitão? Se for real, seria a baleia apenas guiada por instintos, ou nos deparamos com um animal inteligente que vive numa brincadeira perigosa com a tripulação? 

"...e seus imediatos deram graças a Deus por finalmente ter levado aquela terrível loucura, ainda assim, no mais profundo do seu ser, Acab continuava a delirar. A loucura humana é a coisa mais matreira e felina que existe. Quando se pensa que ela se foi, pode ter se disfarçado em uma forma bem mais sutil. A loucura de Acab não terminou, apenas escondera-se, [...]"


ALERTA DE SPOILER (mini)

               Não é uma história com final feliz para todos os personagens, uma vez que metaforicamente nos avisa que "a ambição destrói". Depois do barco atingido pelo cachalote e a tentativa de fuga frustrada, Ismael (nosso narrador) vê todos morrerem (inclusive o Capitão Acab e o Quequeeg, seu melhor amigo) e quando nada mais parece ser possível, a grande baleia branca emerge das águas para a sua salvação. Previsível? Sim, muito! Mas não desmerece o valor literário da obra.

Vencida mais uma etapa do desafio literário
(li um livro com mais de 500 páginas)
 Meu exemplar é da Martin Claret, Série Ouro, com 569 páginas



4 deram importância: